domingo, abril 27

Aplicando Permacultura em casa - Inserindo, re-localizando e criando novas utilidades para os elementos que compõe este espaço

Antônio Roberto Mendes Pereira 

Quando se fala em Permacultura e na sua aplicação normalmente as pessoas se reportam a aplicação da mesma unicamente no campo, na natureza, nos espaços produtivos. Esquecem que a Permacultura é uma forma de pensar que tem uma metodologia de planejar, desenhar e executar que pode ser aplicada em todos os espaços, inclusive no design das construções, na forma de se alimentar, na forma de consumir, vestir e de intervir em qualquer espaço. 

A Permacultura tem a capacidade de reorganizar, de arrumar e de rearrumar os espaços e os componentes destes espaços. A organização ou reordenamento destes elementos é uma dos principais objetivos do design. Conectá-los criando uma interdependência para melhor produzir e aproveitar as energias é uma das características do uso prático da Permacultura. 

Este texto pretende mostrar como a Permacultura pode ser aplicada nos espaços internos de uma casa, independentemente de onde ela esteja, quer seja nos grandes centros urbanos ou até nos confins de um interior de uma pequena cidade ou distrito. 

A escolha e a colocação destes equipamentos, eletrodomésticos e móveis podem quando bem localizados propiciarem vantagens energéticas, de facilidade de uso e de aumentar suas utilidades. Uma simples transferência de um destes utensílios para outro lugar ou cantinho, pode fazer e trazer e ou criar uma grande diferença na sua utilidade. 

Para aplicar esta idéia vai ser necessário dominar ou ter conhecimento da aplicação de alguns princípios de design da Permacultura: 

· Localização relativa ou integrante 
· E que cada elemento deve executar mais de uma função no sistema. 
· Evite desperdício 
· Cada função importante deve ser executada por vários elementos 
· Planejamento energético eficiente 
· Bordas ou limites 
· Use e valorize os recursos e serviços renováveis 
· Integre ao invés de segregar 

Localização Relativa – Escolha sempre um local onde os elementos possam exercer o máximo de funções possível. 

Cada elemento deve executar mais de uma função – Dependendo da localização dos elementos eles podem exercer muitas funções, porém esteja alerta para que todos elementos possam exercer no mínimo duas funções dentro do sistema que está sendo criado ou montado. 

Evite desperdício – Esteja atento para não desperdiçar nada, faça o possível para que os desperdícios ou descartes possam voltar a fazer parte do mesmo sistema novamente. A reciclagem e ou reutilização dos materiais e elementos devem ser uma constante no comportamento das pessoas que irão habitar este espaço. 

Cada função importante deve ser executada por vários elementos – Se alguma função é muito importante para o sistema não permita que somente exista um elemento executando esta função. Descubra que outros elementos podem desempenhar esta mesma função. Isto dá segurança e sustentabilidade ao ambiente. 

Planejamento energético eficiente – Evitar gastos de energia desnecessários faz parte de um bom design. Na execução de qualquer uma atividade gastasse energia, porém existem formas de fazer o mesmo trabalho gastando-se bem menos energia, este planejamento é necessário. A distância, localização e as formas de usar são maneiras que precisamos estar alertas, pois estas ações envolvem o uso de muita energia. 

Bordas ou limites – Internamente em uma casa os espaços entre um ambiente e outro pode ser considerado borda como limite. Estes espaços normalmente são mais ricos, pois têm elementos que compõe cada um dos compartimentos além de ter os próprios daquele ambiente, isto torna estes ambientes mais completos. Exemplos de bordas dentro de uma habitação: a sala é uma borda, pois deve dá acesso a todas as demais áreas da casa, a cozinha é um espaço de todos logo se torna uma borda, os quartos não são bordas, pois normalmente é um espaço privado para muitos. O alpendre é uma borda, pois está localizado entre a rua e o interior da casa. 

Use e valorize os recursos e serviços renováveis – Quanto mais se utiliza recursos vivos ou biológicos nas ações de manutenção e provisão mais sustentável torna-se este ambiente. Por exemplo, ao invés de colocar porteiros eletrônicos o uso de um cão pode ajudar nesta tarefa avisando que tem gente, um bom despertador natural é um galo cantando todo dia a mesma hora, ao invés de comprar iogurte industrializado você pode fazer coalhada utilizando para isto os lacto bacilos. Ao invés de plantas artificiais utilize plantas naturais que ainda podem neutralizar alguns aromas, para filtrar água servida você pode utilizar plantas macrofitas, estas e muitas outras formas biológicas podem fazer parte do seu dia a dia te ajudando e melhorando a qualidade de vida. 

Integre ao invés de segregar – as relações entre as coisas e os elementos são essenciais no desenho dos espaços. A capacidade de criar sistemas intimamente integrados depende de uma ampla visão de conjunto de relações enigmáticas e fechadas a sete chaves que caracterizam as comunidades ecológicas, logo precisamos permitir que estes eventos possam acontecer e desenvolver o máximo de relações, nas dependências da habitação. 

ZONEANDO INTERNAMENTE A CASA 

Como a Permacultura trabalha sempre buscando a eficiência no uso das energias, podemos tentar fazer um paralelo entre o zoneamento de uma propriedade com os cômodos de uma casa. Esta tentativa é meramente para melhorar a compreensão da aplicação da Permacultura levando em consideração a intensidade de uso de cada compartimento de uma casa. Parti-se do princípio que quanto mais utilizada e visitada o ambiente durante um dia, mais bem localizada precisa estar em relação as demais espaços ou áreas internas, para se ter um menor gasto de energia. 

A Permacultura utiliza-se de 06 zonas na divisão de uma propriedade. As zonas recebem um número e tem um conjunto de características próprias para cada zona. 

São elas: 

· Zona 0 
· Zona 1 
· Zona 2 
· Zona 3 
· Zona 4 
· Zona 5 

A zona 0 é a casa ou habitação, onde o gasto de energia é intenso. Quase todas as demais zonas foram quase que projetadas para atender as demandas ou necessidades das pessoas que vivem nesta propriedade. No paralelo que estou fazendo com a casa esta zona 0 é a cabeça das pessoas, pois são elas que decidem o tamanho, a cor, o que vai se ter de móveis, eletrodomésticos, como vai ser distribuído estes elementos dentro da casa, qual o cardápio dos alimentos entre outros. Logo, muita energia é gasta para dá o comando e a operacionalização dessas decisões. Exige um pensar, um planejamento lógico onde esta distribuição seja feita de forma que facilite todo o trabalho e o uso de todos os elementos que irão fazer parte do sistema (casa). Além de racionalizar o gasto com energias para abastecer, manter, arrumar, utilizar e limpar esses espaços.

A zona 01 – Esta zona na Permacultura funcional de uma propriedade é dedicada a produção, manipulação e beneficiamento de forma intensiva dos alimentos que fazem parte da dieta da família. Ela é localizada o mais próximo possível da Zona 0 porque a necessidade de visitas de manutenção e colheitas são feitas diariamente, logo quanto mais distante se coloca esta zona da casa (zona 0) mais se gasta energia para ir e vir nas várias vezes durante o dia. No paralelo com a casa esta zona 01 deve ser a cozinha onde se prepara, beneficia, armazena, lava e cozinha os alimentos que irão sustentar toda a família que neste ambiente reside. A cozinha é um espaço onde se gasta muita energia para preparar, cozinhar, congelar, gelar, esquentar, esfriar, logo precisa ser bem planejada a distribuição dos elementos que irão compõe este espaço. Outros elementos fazem parte desta zona da cozinha, são os jardins, pequenas hortas, cisternas, sanitários e banheiros mesmo não estando localizado contiguamente no mesmo espaço. Os sanitários fazem parte desta zona porque eles são responsáveis para coletar parte das energias que já foram utilizadas através do consumo dos alimentos. Em uma casa Permacultural as excreções humanas devem ser novamente reutilizadas para enriquecer novamente o sistema de produção ou de energia ou de fertilizantes naturais. As cisternas fazem parte também desta zona porque para o espaço cozinha ser operacional é preciso o uso de água, sem este liquido seria impossível manter este espaço limpo e funcional. Esta zona é considerada na propriedade como área de segurança alimentar e a cozinha desempenha e atende esta segurança.

A zona 02 – Na propriedade esta zona é responsável também pela segurança alimentar da família, porém no âmbito das frutas e na produção de alguns tipos de proteína animal (pequenos animais e sua produção ). O pomar ou a frutifloresta ou até floresta de alimentos como é conhecida é a caracterização desta zona. Este espaço é subseqüente a zona 01, pois a zona 02, também deve estar próxima a casa. No paralelo esta zona na casa deve ser a dispensa dos alimentos, ou melhor, espaço onde se armazena os alimentos comprados ou produzidos pela casa. Logo estão envolvidos nesta zona os armários, a geladeira, como se pode perceber existe uma quase mistura entre a zona 01 e a 02, pois ambas estão planejadas para atender tal demanda da família a da segurança alimentar.

A zona 03 – Na propriedade esta zona é área de produção em larga escala logo, para o mercado. Os produtos produzidos nesta zona são direcionada para atender a demanda externa a dos consumidores extra propriedade. Esta zona recebe freqüentemente visita de consumidores ou até de compradores para efetuar a compra dos produtos. É um espaço que pode ser considerado como área de negociação, de entendimento, de alinhamento. Deve recepcionar bem para vender mais. Recebe, acolhe, mostra, divulga, dá informações, é responsável pelo rastreamento dos produtos que são produzidos nesta zona. No paralelo com a casa, reconheço o espaço sala de estar como esta zona, pois é nela que recebemos as visitas, vendedores, os parentes, os amigos, é ela que dá acesso aos demais espaços da casa. É através dela que entra e saem as economias alcançadas pela família.

A zona 04 – Na propriedade esta zona é como se fosse uma mata estrutural, espaço onde se monta uma mata ou floresta a partir das necessidades ou demandas local. É um espaço preparado para render no futuro, é como se fosse uma poupança para toda família em longo prazo. É o acumulo de energia para se gastar muito tempo depois. Nesta zona planta-se e cria animais. A silvicultura é uma das estratégias que pode ser utilizada nesta zona. É conhecida também como a área de gestão dos pastos e florestas projetadas. No paralelo com a casa considero os quartos como este espaço. Pois, são áreas onde se acumula energia, para se gastar depois, espaço de renovação e acúmulo de energia. Zona de descanso, zona de crescimento lento, pois durante o sono crescemos em vários sentidos. O descanso prepara você para o futuro mais próximo, o outro dia.

A zona 05 – Esta zona nas propriedades é considerada como área de referência ecológica, ela nos ensina como devemos manejar as demais zonas. É uma zona de acumulo natural, é uma reserva natural para manter a qualidade ambiental de toda a propriedade. É o espaço para o nativo selvagem se desenvolver e permanecer presente e ativo. É o banco genético para REUSO e descobertas futuras. No paralelo com a casa reconheço o porão, sótão, os depósitos das tralhas que podem voltar com criatividade a fazer parte do sistema novamente. O cofre ou até mesmo o recurso guardados no banco se enquadram nesta zona, pois são reservas para o futuro. Vejo também que o alpendre da casa pode fazer parte desta zona, pois normalmente são utilizadas como espaço de reflexão, de observação de olhar, ver e apreciar a paisagem, lugar de insights para execução futura. Espaço de beleza natural porque deve ter jardins agrícolas.

A partir deste paralelo feito através do principio de zoneamento podemos melhor entender como melhor planejar, re-localizar e reutilizar os elementos que podem, ou que fazem parte da casa.


ESCOLHENDO O MELHOR LUGAR PARA OS ELEMENTOS


Lista de observações necessárias para os elementos da casa

Lado do vento
Lado do sol
setores Lado do barulho 
Lado da chuva
Lado do fogo
Lado da poeira

· Parte da casa mais úmida
· Parte da casa mais quente
· Parte da casa mais clara
· Parte da casa mais escura
· Parte da casa mais abafada
· Parte da casa mais ventilada


ANALISANDO OS AMBIENTES E OS ELEMENTOS DE UMA CASA

A COZINHA



FOGÃO E FORNOS – Em muitas casas o fogão normalmente está localizado em um local que não contribui na economia de energia. Próximo de janelas normalmente corre vento diminuindo a potencia da chama, além da perda da temperatura. A melhor localização é verificar qual a parede da cozinha mais quente, a que leva mais sol durante o dia e localizar o fogão não se esquecendo de evitar também o lado do vento. O fogão não pode está localizado próximo da geladeira, pois enquanto um precisa esquentar o outro precisa esfriar, logo mantenha distância entre ambos. O fogão também não deveria estar localizado próximo a bebedouros, pois com certeza vai contribuir para esquentar a água.

Se possível opte por fogão solares, pois além de serem econômicos não são poluentes.


GELADEIRA – Procure o local da cozinha mais frio para localizar este eletrodoméstico, quanto mais frio for o local menos energia se gasta. Localize a geladeira em um local que não permita a abertura total da porta, diminuindo assim a perda do ar frio da mesma, todas as vezes que for necessário abri-la.Distribua os alimentos levando em consideração que as prateleiras de cima da geladeira são mais frios e os debaixo menos.

MESA – Este móvel precisaria está localizado o mais central possível na cozinha, que ele tenha acesso fácil, não atrapalhando passagens e facilitando o acesso a todos os eletrodomésticos e utensílios da cozinha. Coloque-a em um lugar que ela possa exercer mais funções.

ARMÁRIOS – Precisaria está localizado no lado mais arejado da cozinha, não úmido, mais seco e ventilado e que permita comodidade para os demais utensílios do espaço. Esta localização é para armários de alimentos e de equipamentos como pratos, talheres, xícaras e panelas. A mesma lógica se utiliza para os armários de alimentos, uma má localização compromete a qualidade dos alimentos.

PIA – Uma boa localização para a pia seria entre o fogão e a geladeira, pois facilita a manipulação de ambos os equipamentos pela família. É importante também que a pia esteja localizada o mais próximo a área de saneamento dos efluentes da cozinha. Um detalhe que se precisa esta atento é para o gasto com água na lavagem dos pratos, copos e panelas. Uma boa maneira é usar a seguinte lógica técnica. Utilizam-se quatro bacias onde as duas primeiras são para ensaboar e enxaguar e as outras duas são para a sanitização, utilizando em uma delas vinagre e na última água sanitária. Com este procedimento gasta-se menos água além de fazer uma boa limpeza e higienização de todos os utensílios domésticos.



ILUMINAÇÃO, LÂMPADAS, TOMADAS E INTERRUPTORES – localize as lâmpadas em locais onde a distribuição de luz seja eqüidistante dos equipamentos. Veja a quantidade de lumens, a altura que vai ser colocada, não esquecendo também da localização do interruptor, pois que seja fácil para acioná-lo ao entrar na cozinha na parte da noite. Lâmpadas bem localizadas podem ajudar na iluminação de alguns espaços ao mesmo tempo. Dê preferência por lâmpadas frias ou eletrônicas de Led elas diminuem o consumo além de fazer uma iluminação bem melhor.

As tomadas de energia precisam estar localizadas em locais que facilite o trabalho com os eletrodomésticos tanto os fixos (geladeiras, fogão, equipamentos que não se fica mudando do local todos os dias, e os móveis como liquidificador, batedeira, cafeteira, etc. Quando bem localizadas dispensa o uso de extensões.

Se a cozinha for escura mesmo durante o dia é prudente a colocação de lâmpadas de garrafa pet para melhorar a iluminação diária, veja as imagens em seguida:




Próximo a porta da cozinha deve estar localizada a horta familiar e medicinal. Estando ela localizada o mais próximo possível da porta da cozinha facilita o manejo diário além de facilitar a colheita diária ou até noturna.

Não se deve localizar o sanitário na cozinha como acontece em muitas casas. Os odores não se combinam, além de barulhos inconvenientes que podem acontecer quando este espaço (sanitário) está sendo utilizado.

As janelas precisam está localizadas de forma que permita o saneamento do ar da cozinha. A renovação permanente deste ar permite uma cozinha sem problemas com fungos e odores desagradáveis. Podem-se utilizar exaustor feito no teto da cozinha de forma muito fácil e eficiente.


CAPTADORES E EXAUSTORES DE AR DE TETO – Estes captadores podem exercer duas funções, a primeira é a de permitir a saída do ar quente (exaustor) do ambiente e a segunda função é permitir em alguns momentos a entrada de brisa limpa e fria. Este processo é controlado pela quantidade de ar que se encontra no interior ou pela força do vento no lado exterior da casa. É de grande vantagem o uso desta tecnologia pois facilita o saneamento do ar quente, baixando a temperatura interna criando zona de conforto térmico para os moradores.


TETO VERDE – Nas cidades a temperatura normalmente são muito altas, devido a falta de áreas verdes. E este aumento na temperatura provoca o aumento de energias, através de equipamentos eletroeletrônicos para diminuir estas temperaturas criando zonas de conforto térmico para os moradores. Uma medida que pode ser utilizada é o uso do teto verde, que nada mais são que jardins cultivados em cima do teto das casas ou de apartamentos com alguns objetivos além de provocar a diminuição da temperatura interna das casas. Estes jardins podem também ajudar na segurança alimentar através do plantio de hortaliças, e até algumas frutas, além da beleza estética proporcionado por eles. A presença de flores, borboletas, passarinhos deixa o ambiente muito mais harmonioso com a natureza. Estes tetos também podem contribuir na captação de água das chuvas, para usos os mais distintos, inclusive a irrigação destes tetos para mantê-los verdes. 

Estes tetos também ajudam no relaxamento de stress quando nos cria um espaço de distração onde se possa tocar, mexer, plantar, cultivar a terra. São momentos de desligamento dos problemas do dia a dia. Pode também ser encarado como uma válvula de escape dos problemas.



Evite jogar restos de óleo no ralo da pia. Eles causam grandes poluições, estes óleos podem ser armazenados e transformados em sabões naturais. Algumas gotas de óleo podem poluir uma grande quantidade de água limpa. Estes óleos sendo armazenados podem servir como matéria prima para a confecção de sabões que irão ajudar novamente na limpeza do ambiente. Estas águas devem passar por um tratamento para que esta mesma água possa ser reutilizada novamente.


As águas servidas da pia devem passar por um filtro biológico. Que são fáceis de fazer e de manter. Estas águas após terem passado pelos filtros pode ser utilizada para irrigação, lavagem de carro, calçadas, etc.


Para as águas negras duas providencias podem ser tomada. A primeira é construir uma fossa bio-séptica, onde todas águas negras vão ser digeridas por bactérias e plantas de grande consumo de água como por exemplo bananeiras. A parte sólida vai ser decomposta pelos microorganismos liberando os minerais que serão absorvidos pelas plantas, e a água será absorvida e transpirada pelas plantas.

Outra medida é o uso do sanitário seco, tecnologia que dispensa o uso água. É uma alternativa também para o tratamento das feses humanas, podendo depois de sofrer um processo de decomposição ser utilizado como fonte de adubo para várias culturas. As fezes são armazenadas em um local sem contato com o ambiente externo, onde a cada defecação a pessoa joga um punhado de serragem sobre as fezes para mantê-las secas e evitar o mal cheiro.

Outra medida ecológica é o uso de canteiros bio-séptico de bananeira. Técnica de saneamento e tratamento das feses e urina humana. É de fácil construção e não precisa esvaziar, pois os microorganismos e as plantas fazem todo o trabalho de absorção e evaporação. 



A PINTURA - Deve-se dá preferência por tintas naturais desprovidas de elementos químicos sintéticos. Muitas tintas podem ser feita de terra (argila) colorida, plantas, raízes entre outros elementos naturais. Não são tóxicas não liberando odores.

Dependendo do ambiente existem cores mais apropriadas. Cores de tonalidades mais claras deixam os ambientes também mais claros, cores mais escuras tendem a deixarem o ambiente mais fechado e escuros. Existem algumas cores que nos acalmam, nos relaxam, enquanto outras nos deixam mais agitados.


Para o telhado várias tecnologias estão disponíveis para cobrir habitações, as melhores são aquelas que utilizam o barro. São mais frias de fácil manutenção.

PISO – O piso da casa quanto mais natural melhor para as trocas de temperatura. Porém as vezes dificulta a manutenção de limpeza. Pisos com cores claras mostram com facilidade qualquer sujeira. Cerâmica, madeira são ótimos componentes para um bom piso.


Fique atento na escolha do piso, pois tem materiais que guardam calor, deixando o ambiente muito quente, mas também tem matérias onde o piso permanece frio criando uma boa sensação térmica para os climas quentes. Outra medida que precisa ser levada em conta na hora da escolha do piso é se ele é de fácil limpeza, existem pisos onde a sujeira fica acumulada e de difícil limpeza. Cuidado com pisos rugosos, estes devem esta localizados em ambientes que tem facilidade de criar lodo, ou que necessitem de aspereza para evitar escorregões, mas nunca em uma cozinha.

OS QUARTOS – Nos climas quentes como no nordeste do Brasil não se deve localizar os quartos no lado poente (oeste), pois toda radiação solar irá bater nas paredes do lado do quarto armazenando calor nas paredes que vai liberando durante a noite, deixando o ambiente muito quente. Localize os quartos nas áreas mais ventiladas para evitar o uso de ventiladores ou ar condicionado. Permita que o vento entre e saia criando uma circulação natural. Outra medida que precisa ser lembrada antes de localizar os quartos é evitar os lados barulhentos da casa ou da rua, são incomodas para os ambientes de descanso.

Distribua os móveis do quarto de forma que caso seja necessário ter acesso durante a noite fique fácil. Coloque os equipamentos que precise ser manipulado com mais freqüência perto da cama. Não esqueça que um interruptor precisa estar localizado na entrada da porta e outro próximo da cabeceira da cama, isto se consegue com uma instalação onde se pode acender a lâmpada no interruptor da porta e apagar no da cabeceira da cama ou vice e versa.

Uma boa iluminação natural também é necessário, evite ter que acender as lâmpadas do quarto durante o dia, permita que a luz solar entre e faça um dos seus trabalhos o de clarear.



A SALA – Normalmente a sala é ambiente de recepção, de reunir-se, de leitura, estes devem ser projetados nas áreas primeiras da casa. Nem toda visita precisa ir até ao interior da sua residência. Este precisa ser espaço bem aconchegante, bonito, ventilado com muitas janelas na altura que a brisa possa te alcançar mesmo quando você estiver sentado, de preferência com muitas plantas.

OS JARDINS – Toda casa deveria ter seu jardim e todo jardim deveria ser uma mistura de plantas ornamentais e comestíveis. Muitas hortaliças aceitam e cabem neste espaço.




O ALPENDRE – Toda casa deveria ter um alpendre, que circule todos os lados da casa. Este espaço deve permitir que se possa passar um bom tempo apreciando o jardim ou quem sabe até a horta ou o pomar. Espaço este que tenha redes, bancos bem localizados que permita apreciar as paisagens. A presença de um laguinho também seria ideal, estes espaços aquáticos permitem uma boa estética além de criar ambientes que conseguem baixar a temperatura além de poder garantir presença de plantas aquáticas, peixes entre outros seres.



LIXO ORGÂNICO E INORGÂNICO – Os resíduos sólidos é uma questão muito séria dentro de uma casa e precisa ser tratado com soluções criativas e locais. Misturar tudo e colocar no lado de fora da casa para que o caminhão da limpeza faça o trabalho não é uma solução prudente e muito menos ecológica. Se foi você que produziu todo aquele lixo, logo é sua responsabilidade, lembre-se você deve ser responsável por tudo que faz, gera, cria, desmancha, produz e excreta. 

O desperdício ou descarte da casa deve ser reaproveitado através de uma seleção através da separação manual. São necessários vários depósitos com as cores padronizadas utilizadas mundialmente. Depois desta separação, vários destes materiais podem voltar a fazer parte de um novo ciclo no sistema. Parte do material orgânico pode servir para alimentar alguns animais e a outra parte pode ser transformada em compostagem, para realimentar as plantas que estão sendo cultivadas no sistema. A casa não deve ser um espaço que gera poluição para outros espaços, tente ao máximo criar soluções para o que precisa ser saneado quer seja liquido ou sólido ou pastoso. São pequenas medidas que vão fazer a diferença.


Uma boa tecnologia para a fabricação de compostagem e o modelo neozelandês.


PRODUZINDO ALIMENTO - Onde produzir alimento na casa também deve ser uma preocupação, principalmente se quisermos nos libertar da compra e do uso de alimentos que não sabemos sua procedência, ou melhor, sua rastreabilidade. O como foi produzido, o com quem e por quem deve ser perguntas que precisamos ter as respostas. Mas enfim podemos sim produzir boa parte dos nossos alimentos em casa. Para isto podemos usar o teto, o quintal e caso não se dispõem destes espaços podemos utilizar as janelas, vasos, caixotes, latas, sacos entre outros equipamentos. Desde que os mesmos possam armazenar uma boa quantidade de solo, receber durante o dia certa quantidade de luz solar para realizar a fotossíntese, e uma boa fonte de água. Com isto pode-se garantir que teremos um bom percentual de alimentos limpos e sadios. 

ARMAZENAMENTO DE ALIMENTOS – Depois da produção ou da compra caso tenha sido necessário precisamos saber como e onde armazenar estes alimentos. Normalmente utiliza-se geladeiras, silos entre outros. Porém, existe uma série de tecnologias que podem ser utilizadas que nos permite além de armazenar economizar energia elétrica. Alguns alimentos in natura podem ser armazenados através da refrigeração evaporativa com potes de barro. Os grãos podem ser armazenados em garrafas pet. Algumas carnes podem ser defumadas, salgadas para aumentar seu poder de armazenamento. Porém também tem o uso de técnicas mais modernas como é caso de atmosfera modificada, ou até mesmo o vácuo.



ARMAZENAMENTO DE ÁGUA – É de grande importância o armazenamento de água limpa e potável recolhida da chuva. Logo os telhados e calhas devem estar limpos para receber o volume de água do período das chuvas, guiando boa parte deste volume para reservatórios os mais diversos. Vários tipos de reservatórios podem ser utilizados como: tanques, cisternas, tambores, laguinhos, entre outros. Não podemos é perder este potencial que ganhamos de graça.

PANELAS – Dê preferência a panelas feitas com material que não soltem resíduos tóxicos como é o caso do alumínio. Também esteja atento para utilizar panelas feitas com materiais que aqueçam rapidamente guardando calor por mais tempo. Utilize panelas de fácil lavagem e que seja pouco aderente a resíduos dos cozimentos ou frituras.

PLANTAS CASEIRAS DE LIMPEZA – O esverdeamento do planeta precisa ser uma constante independentemente do espaço habitado. Inicie o esverdeamento dentro da casa e depois vá aumentando para o entorno da habitação. É uma forma de melhorar o meio ambiente nos espaços onde habitamos. O esverdeamento dentro de casa vai ajudar na melhora do ar interno. Muitas doenças alérgicas têm como causa o ar interno residencial, carregados de poeira, ácaros, mofos entre outros. Muitas toxinas que fazem parte dos vários produtos químicos que são utilizados para limpeza de forma geral poluem este ar. Cientistas descobriram que algumas plantas podem ajudar na limpeza desta poluição do ar. O centro espacial da NASA descobriu que plantas domésticas comuns podem remover produtos químicos voláteis do ar. No livro soluções sustentáveis de Lucia Legan cita-se que duas plantas de sombra em vasos de 35 a 40 centímetros podem limpar o ar de 10 metros quadrados.

Algumas plantas que estão sendo pesquisadas pela NASA por seu beneficio ecológico de purificação do ar e que podem ser cultivadas dentro de casa:

Areca palma - (Chrysalidocarpus Lutescens)
Coqueiro de Vênus - (Dracaena fragrans)
Lírio da paz - (Spathiphyllum SP.)
Jibóia – (Scindapsus aureus)
Gérgera (Gerbera jamesonii)
Imbé – (Philoderdron erubescens)
Singônio (Synogonium podophyllum)



ÁREAS DE LAZER – Toda casa que tem filhos precisaria ter uma área externa de lazer. O brinquedo, o brincar e a brincadeira devem fazer parte desta área. Nestas áreas pode-se utilizar na confecção destes brinquedos pneus usados, tambores entre outros materiais. Veja a criatividade das imagens abaixo:


PRODUTOS DE LIMPEZA – Utilize ao máximo produto que seja biodegradável e dê preferência por produtos que você possa fazer em casa, com composições mais leves. Não basta operacionalizar uma limpeza ecológica, todo o processo tem que estar em consonância com o procedimento. A limpeza da casa é um grande desafio ecológico. Muitas são as opções de produtos, poucas são as informações sobre seus impactos ao entrar em contato com água ou o meio ambiente. Daí a necessidade da escolha destes produtos e receitas caseiras.


AQUECEDOR DE ÁGUA – Toda casa necessita ter diariamente água quente para várias atividades, desde um banho quente até para facilitar na lavagem de louças. Logo se faz necessário instalar uma tecnologia de baixo custo e que seja eficiente nesta operação. As tecnologias apresentadas neste trabalho têm como principal fonte de aquecimento o sol. A radiação solar atinge determinados componentes da tecnologia absorvendo a radiação e elevando a temperatura da água que logo em seguida precisa ser armazenada de forma que a mesma não perca com facilidade este aquecimento solar.

Depois de aquecida esta água pode ser utilizada em várias tarefas domésticas diminuindo consideravelmente o gasto com energia elétrica.


Como vemos neste texto podemos aplicar a Permacultura de várias formas além fazer determinadas escolhas que cooperam na operacionalização deste sistema. A localização, as conexões, os materiais, o como fazer são todas escolhas de livre arbítrio das famílias, logo estas pessoas precisam ter mais informações sobre este manejo mais ecológico destes espaços e a Permacultura nos apresenta uma metodologia para planejar e desenhar estes espaços de forma simples e sustentável. Repensem estes espaços da sua casa e comece colocar em ação estas aprendizagens, faça a diferença contribuindo para esta TRANSIÇÃO.

É claro que este texto não consegue abranger todas as dimensões do espaço habitação, mas de uma forma trouxe muitas informações que vão poder contribuir nos primeiros passos para se ter o espaço e as pessoas mais ecologizadas e no processo de transição.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Convide seus amigos para participarem também.
-------------------------------------------------------------------------------------------------
Thanks for commenting! Invite your friends to join too.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...